Fuga

Parecia maravilhoso fugir e deixar de lado toda falsidade de sua vida vazia. Parecia incrível estar finalmente livre de cumprir obrigações sociais. Parecia que os seres humanos gostava, afinal, de se torturarem uns aos outros. Não haveria outro sentido para vida ser como ela é, uma engrenagem enferrujada e sem graça alguma. E quando é que as pessoas se deixariam realmente guiar por sua vontade? Quando deixariam de viver vidas artificiais com sorrisos plastificados? Quando poderiam dizer que valeu a pena realmente viver aquele dia? Até que ponto a vida não é integralmente programada e você não teve qualquer possibilidade de participação? Quando é que você realmente faz alguma coisa que quer? Qual foi a última vez que conseguiu realmente conversar com alguém de forma interessante? Sem que fossem frases vazias para preencher o silêncio? Qual foi a última vez que riu de verdade? E quantas vezes não chora de verdade, sufocado? Talvez seja a hora de arrumar as malas e simplesmente fugir para cumprir sua própria vontade longe das amarras de sua família, dos seus amigos, do seu emprego e principalmente de suas exigências morais.

Anúncios
Esse post foi publicado em Acordar. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s