Dilema

Parece que não é difícil abandonarmos regras e princípios que seguimos por nossa vida ao nos deparamos com uma injustiça feita a pessoa que nos é especial. Quem não ajudaria o próprio filho a fugir da polícia política na Ditadura por ser perseguido pelo simples motivo de expor suas ideias? Quem não contaria uma mentira para satisfazer uma burocracia inútil e injusta do sistema de saúde se isso significar salvar seu irmão da beira da morte? Quem não arriscaria deixar um pouco a cartilha de lado por uma causa maior, uma injustiça, ainda mais se essa injustiça envolver alguém que se ama?

Parece mesmo que qualquer um é capaz disso, mas se esse abandono significar ferir algum valor que lhe é muito importante, então, talvez você não ajude a quem ama. Você pode ajudar a esconder seu filho da polícia política, mas talvez não esteja disposto a matar um policial. Você pode contar uma mentira que salve seu irmão da beira da morte, mas pode não fazer isso, se essa mentira significar que seu irmão tirou lugar na fila de outra pessoa que fatalmente irá morrer.

O dilema é ainda pior se a pessoa que amamos está envolvida em uma situação sob os nossos olhos justa. Um filho que foge da polícia porque de fato praticou um crime, por exemplo, um assassinato. O que fazer nesse caso? Ajudá-lo ou delatá-lo à polícia? Pode ser que você queira dar o exemplo, mostrar que quem pratica crime deva ser preso e que você não pode ser conivente com um criminoso, seja ele seu filho ou não. Pode ser que você não tenha coragem de mandar seu filho para o sistema carcerário do Brasil, pois sabe que possivelmente sairá pior do que entrou. Pense sozinho, só você sabe a resposta e só você precisa saber, não precisa dizer a ninguém mesmo, mas seja sincero com você mesmo e responda: o que você faria?

No fundo toda vez que nos deparamos com dilemas, quaisquer que sejam eles, nós sopesamos, às vezes sem nos darmos conta desse processo, os valores que estão em cada lado da balança e escolhemos aqueles que nos é mais importante. O que vale nesse processo é ser verdadeiro com você mesmo. Esqueça o que podem pensar, esqueça das regras, esqueça como outras pessoas agiriam e seja sincero com você mesmo, o que realmente importa para você? Não há apenas uma resposta certa, cada pessoa têm seus próprios valores e convicções, o importante mesmo é agir de acordo com aquilo que acredita e não trair a si mesmo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Acordar. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s